Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

09.08.22

Quantas mais pessoas têm que morrer por conta dos ralis?


marta-omeucanto

  A edição deste ano, do Rali Vinho da Madeira, que decorreu entre os dias 4 e 6 de Agosto, ficou ensombrada pela morte de uma criança de 8 anos. Quem viu o acidente, percebeu que três pessoas atravessaram a estrada a correr. Duas mais à frente, que chegaram ao outro lado a tempo, e a menina, que foi apanhada, em cheio, pelo piloto. A violência do embate foi chocante. Nem quero imaginar o que estarão a sentir os pais. É muito triste.   Mas a verdade é que há quem venha logo (...)
08.08.22

Até Sempre Jô Soares


Filipe Vaz Correia

      As palavras, por vezes, são curtas, pedaços de memória espartilhados pelo tempo... Fui surpreendido, há uns dias atrás, pela tristíssima notícia da morte do Jô Soares num corrupio de emoções que saltaram para lá da tela do telemóvel. Conheci o Jô num jantar em casa do meu queridíssimo Nicolau Breyner, um extremoso amigo que deixou imensas saudades, num jantar preparado para que eu pudesse conhecer esse ídolo de uma vida... O Jô! Escusado será dizer que vivi uma (...)
02.08.22

Querido, roubaram-nos a piscina!


marta-omeucanto

  "Oh, meu deus! Mas em que mundo vivemos nós? Ao que chega a crise em Portugal, para levar as pessoas a cometer tal acto de desespero?   E agora? Como é que vai ser, em pleno verão, com estas temperaturas altíssimas, não nos podermos refrescar na piscina? O que vão dizer os amigos, agora que não os podemos convidar para um churrasco? Para uma festa na piscina? O que vamos fazer aos biquinis novos que íamos estrear, acabadinhos de chegar da China? Como é que nos vamos (...)
01.08.22

Amor Teu, Amor Nosso…


Filipe Vaz Correia

    Já amei e já perdi, já desconversei e sorri, já desmaiei enquanto fugi, soletrei parte de mim...   Já esqueci o que antes havia pressentido, já perdoei o que havia perdido, libertei o que em mim havia doído...   Já escrevi vezes sem conta o que conta o meu coração, essa voz que se esconde escondendo a ilusão, desse amor teu por mim...   Desse amor teu; por nós.