Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

23.05.21

À Conversa com o Zagal no Alhambra...


Robinson Kanes

granada_alhambra.jpgImagens: Robinson Kanes 

 

Está a ser difícil sair dos pátios do Alhambra e continuar a história. Desta vez fui empurrado para uma conversa com o Zagal. Lembram-se da luta e do empenho desta personagem na defesa do Reino de Granada?

granada (3).jpg

Numa ausência de Boabdil, fui recebido pelo Zagal na Sala dos Embaixadores do Alhambra, mais propriamente no conjunto que hoje se denomina de Palácios Nasrid. Admito que me senti bastante respeitado, sobretudo porque tinha diante de mim um bravo guerreiro sempre fiel à sua cultura e... ser recebido na Sala dos Embaixadores não era para qualquer um.

alhambra_granada (8).jpg

Mas antes de entrar na sala, onde este respeitável guerreiro me esperava, dei comigo a passar pelo Pátio de Comares ou Pátio dos Arrayanes - a água, a mármore, o verde, característica tão muçulmanas – perguntei ao soldado que me acompanhava se podia lavar a cara naquele espelho de água lindíssimo antes de me encontrar com o Zagal. Após um gesto de assentimento por parte daquele fiel guardião de Granada, deixei que a água me lavasse o rosto e me contaminasse com a magia daquele espaço. Cheguei a questionar-me se os meus olhos estariam suficientemente lavados e preparados para o que ainda iria ver... ergui a cabeça e vislumbrei a Torre de Comares (a mais alta do complexo, com 45m, e que alberga a Sala dos Embaixadores), e caminhei em direcção ao Zagal.

alhambra_granada (9).jpg

Após de ter sido recebido por este, confessou-me, enquanto estávamos sentados, que havia sido fundamental para o reino a expulsão de Abén Hacen e da respectiva família para Salobreña. Informou-me de que o reino precisava de sangue novo para combater o poderoso exército de Castela e Abén Hacen já nada podia fazer, inclusive até por culpa da tensão que grassava na cidade.

alhambra_granada (7).jpg

Admito que escutava com atenção o Zagal, mas os meus olhos passavam pela arte e engenho que permitiram que a maior sala do Palácio de Comares e de todo o Alhambra fosse tão bela... afinal encontrava-me na sala das grandes recepções, uma espécie de sala do trono. Interessante que nesta sala a luz é reduzida, somente entrando por pequenos orifícios e frestas que lhe dão um certo ar de recato, de sobriedade e até de temor. Aqui desvendamos o interior da Torre de Comares e ficamos apaixonados. Respira-se história, as grandes decisões, pelo menos as mais formais, passaram por aqui. Centenas de anos de reino aqui encerrados e as almas dos diferentes governantes a pairar em cada feixe de luz que ilumina, parcamente a sala. Resolvi não desvendar o futuro ao Zagal e de como a sua alma não tardaria também a pairar sobre aquele espaço.

alhambra_granada (6).jpg

O Zagal, "raposa velha" como era, percebendo a minha admiração e espanto, bem como algum desinteresse pela sua exposição, resolveu brindar-me com uma surpresa, uma surpresa que abordarei mais adiante...

alhambra_granada (10).jpg

Todavia, já é altura desta aventura ter uma banda sonora, pelo que abaixo encontram talvez, a mais perfeita de todas... Os "Recuerdos de la Alhambra" de Francisco Tárrega e cuja composição, terminada em Granada, data de 1896. Esta versão é interpretada por um Andaluz, como não poderia deixar de ser, o "malagueño Pepe Romero! Não é difícil deixarmo-nos envolver por este espaço, pela história de Granada, pela aventura da reconquista ao som de cada acorde...

alhambra.jpg

Após tomarmos um chá na Sala dos Embaixadores, o Zagal convida-me para um passeio pelo complexo. Interessante ouvir este guerreiro que demonstra uma vontade inultrapassável de defender o reino a todo o custo, inclusive encontra-se disposto a matar o sobrinho Boabdil se tal for necessário. O Zagal conta-me a história de Boabdil, (“El Chico”) que à nascença trouxe marcada a queda do reino. Fala-me das indecisões e da aproximação ao reino de Castela a que também fui aludindo ao longo desta aventura. É alguém apaixonado pelo seu povo e isso nota-se pela forma como trata os guardas do palácio, com um respeito e nobreza tais que ficamos sem saber quem é o verdadeiro Governador do Reino.

alhambra_granada (11).jpg

Saímos da Sala dos Embaixadores e caminhamos um pouco. O Zagal, perante a minha admiração e encanto com aquela infraestrutura, olha-me e esboça um sorriso – estranho vindo de tão nobre e duro guerreiro – penso que aprecia esse meu encantamento.

granada_alhambra (1).jpg

É lado-a-lado que entramos no Pátio dos Leões, o símbolo máximo do apogeu da Dinastia Nasrid a grande herança de Muhammad V, a conclusão e mescla de todos os estilos do Alhambra num local mágico. Este pátio, que fica ao centro do Palácio dos Leões, tem a sua linha de água que alimenta uma fonte mágica suportada por majestosos leões que a guardam dos mais ousados usurpadores. Fico sem palavras e confesso ao Zagal que fiquei a entender o porquê deste lutar com toda a sua força na defesa de GranadaAbdicar de tamanho tesouro seria uma tremenda loucura...

granada_alhambra (2).jpg

Sou levado para a Sala dos Reis, o Zagal percebe que tem de me puxar pelo braço, tal o meu espanto, mas aí... espera-me outra grande surpresa. As pinturas, a planta longitudinal e a imaginação a permitir-me vislumbrar as recepções que ali teriam lugar, os turbantes, a mescla de vestidos e a habitual agitação e simpatia daquele povo. Contudo, sou alertado... diz-me que nem tudo é tão belo, posto que, foi no Pátio dos Leões que muitos perderam a vida em disputas dinásticas e intrigas palacianas. Alerta-me, aliás, que estamos prestes a entrar numa das mais importantes salas do Palácio dos Leões: a Sala dos Abencerrajes. Conta-me o Zagal que foi aqui que ordenou a ida do irmão, Abén Hacen, para Salobreña e que, também foi aqui que teve grandes disputas com o sobrinho BoabdilO que o Zagal não me confessou, foi que ele e o irmão haviam sido os responsáveis pela morte dos Abencerrajes por serem uma família forte e poderosa do reino e também por serem uma ameaça à governação deste, sobretudo depois da revolta de Málaga em 1469. Todavia, esta é uma discussão que ainda hoje perdura, pois Irving, nos "Contos de Alhambra", afirma que o assassinato foi ordenado por Abu Nasr Sad, conhecido como (Ciriza). Diz-se que, à época, o sangue dos mortos foi tanto que tingiu a transparente água do Pátio dos Leões de vermelho... 

granada_alhambra (3).jpg

Noto a respiração do Zagal a acelerar e uma certa dureza no rosto, pelo que agora sou eu quem o guia para a Sala das Duas IrmãsAqui nos sentámos a contemplar o espaço, sobretudo a cúpula moçárabe que se desenvolve com base no conhecido Teorema de Pitágoras.

granada_alhambra (4).jpg

O silêncio passou a reinar, ambos ficamos perdidos nos nossos pensamentos: o Zagal a pensar no futuro do seu reino, ou talvez no triste episódio que não me relatou e eu... eu fiquei a tentar reconstruir esse acontecimento tendo como base a pintura de Marià Fortuny que se encontra no Museu Nacional de Arte da Catalunha e que não é nada mais nada menos que “La Matanza de los Abencerrajes”.

 

Continua no próximo Domingo...

_______________________________________

Episódios Anteriores:

Aben Hácen e Zahara

el Zegri e Ronda

Salobreña e a Morte de Aben Hacén

Córdoba... O Quartel General Cristão

Málaga: O Início das Hostilidades

Málaga: O Desastre e a Capitulação

Da Serra Nevada e das Alpujarras se Retirou o Zagal... Entra Granada

O Alcazaba do Alhambra e a Inspiração de Aben Hácen...

 

 

 

4 comentários

Comentar post