Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

04.03.21

A intragável beleza da substituibilidade


Triptofano!

Quando deixamos de viver a nossa vida e ter tempo para a família, para o romance, para o animal de estimação ou para aquele livro acompanhado de um copo de vinho tinto, por causa do trabalho, então é altura de interiorizarmos que não há pessoas insubstituíveis.

Sei que a beleza singela da substituibilidade pode ser intragável para muitos, como uma ingestão excessiva de gorduras quando as enzimas pancreáticas entraram em greve, mas a verdade é que tão depressa como vamos também alguém vem para o nosso lugar.

Podemos deixar saudades, mas o mundo não para porque nós decidimos (ou alguém decidiu por nós) que o nosso mundo não era aquele.

Atenção, não estou a fazer uma ode ao deixa andar ou fazer o mínimo possível, mas sim ao criar limites que permitam que a vida que temos para viver seja mais do que a vida laboral.

O teletrabalho esbateu fronteiras entre a vida pessoa e a profissional, e cada vez fica mais fácil estarmos acessíveis para responder a um e-mail ou a um telefonema, a termos o computador ligado até a altas horas da noite ou adormecermos a fazer scroll nos e-mails que temos para responder.

Não nos faz bem. Nunca nos poderá fazer bem. O trabalho é para termos prazer e para nos dar prazer, ou no limite para no fim do dia nos conceder a possibilidade de obtermos e mantermos o prazer.

Vivermos para trabalhar, porque achamos que se não fizermos mais ninguém fará, é o maior erro de todos, porque todos somos substituíveis. 

A única coisa que ninguém pode fazer por nós é viver a nossa vida. E a nossa vida é muito mais do que uma dimensão.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.