Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

17.11.20

África: Um Continente em Colapso...


Robinson Kanes

aptopix-south-africa-university-protests.jpg

Créditos:https://qz.com/africa/808434/student-protests-for-free-university-education-in-south-africa-are-intensifying-with-no-end-in-sight/

 

 

Our fathers fought bravely. But do you know the biggest weapon unleashed by the enemy against them? It was not the Maxim gun. It was a division among them. Why? Because people united in faith are stronger than the bomb.

Ngũgĩ wa Thiong'o, in "A Grain of Wheat"

 

Em tempos de pandemia, eleições nos Estados Unidos e André Ventura, em África, um continente altamente vulnerável politicamente, muitos são aqueles que aproveitam as atenções do mundo e as novas prioridades políticas para empreenderem algumas "liberdades" que ameaçam colocar em risco toda a região. Perdoem-me os lansquenetes que confundem ter mundo com digerir tudo aquilo que lhes chega pela televisão, mas é importante debater este tema na semana do Dia Internacional para a Tolerância.

 

A Portugal têm chegado algumas notícias de Cabo Delgado que nos deveriam envergonhar a todos. No que é tornado público, Portugal e a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP)  têm sido ultrapassados na preocupação por uma Commonwealth que tem alertado frequentemente para a escalada da violência na região, até porque a a alta voltagem também existe do lado de lá da fronteira, na África do Sul.

 

Todavia, o barril de pólvora africano não cessa de se alimentar e até alguns países que nos últimos anos têm vindo a cimentar a Democracia e a crescer economicamente se encontram em risco de colapso.

 

Recentemente foi a Zâmbia, que não é só "Victoria Falls", e que com uma dívida de 120% do Produto Interno Bruto, viu o seu presidente Edgar Lungu prender o líder da oposição e alguns dos seus apoiantes. Um país lindíssimo mas que atravessa frequentemente graves secas arrisca-se a uma guerra civil que pode eclodir a qualquer momento, até porque a vizinhança com o Zimbabwe também tem que se lhe diga. Se tivermos em conta que a Zâmbia ainda faz fronteira com Angola (em crescente tensão) e com o já referido Moçambique, podemos imaginar o cocktail.

 

Mas existe ainda outro país que faz fronteira com a Zâmbia e foi, nos últimos anos, um exemplo de crescimento e democracia na região: a Tanzânia - que também não é só safaris e Zanzibar. Por lá, é John Magufuli que obteve 84,34% dos votos numa reeleição marcada por fraude e afastamento dos observadores internacionais das urnas. Magufuli, que no primeiro mandato conseguiu 58% dos votos e encetou um caminho de limitação das liberdades fundamentais e ataques à oposição, jamais poderia ter vencido com esta margem num país de gente inteligente como a Tanzânia. Os Estados Unidos e a União Europeia reconheceram estes resultados como fraudulentos e um claro atentado à Democracia.

 

Também o Ruanda faz fronteira com a Tanzânia e sobre isso já tive oportunidade de falar ontem aqui. Juntemos a República Centro Africana (onde estão soldados portugueses), a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul e já temos mais de metade de um continente em erupção. E ainda só nos debatemos em países que fazem fronteira uns com os outros - além de que estou a evitar o eixo atlântico, onde Costa do Marfim; Guiné Bissau (tomada pelo fundamentalismo Islâmico); Guiné Equatorial (a orgulhosa ditadura da CPLP); Serra Leoa (os diamantes de sangue) e a Nigéria (onde se abatem jovens na rua como se apanha azeitona). Como falamos das "Guinés", na Guiné-Conacri é a eleição de Alpha Condé que já se salda em mais de 30 mortos apenas porque disseram não à ilegalidade da mesma.

 

Deixo a minha última palavra para um território notável e que está prestes a deixar de ser um dos melhores exemplos de crescimento em África - a Etiópia. O segundo país mais populoso de África encontra-se a braços com um cenário de guerra civil entre as tropas governamentais e os rebeldes de Tigray - que já chegaram a Asmara, capital da Eritreia, onde bombarderam o aeroporto. No país onde o presidente venceu um Prémio Nobel da Paz, existem relatos (e para já são apenas isso, embora a União Europeia esteja empenhada numa investigação) de crimes de guerra. 

 

E por aqui poderíamos continuar subindo pela Líbia, Argélia e descer à Mauritânia e mais um sem número de países, sem esquecer o tenso Sael. Uma situação destas noutro continente já teria feito eclodir uma Guerra Mundial ou um conflito regional extremamente severo. Todavia, a América do Sul está a atravessar uma situação semelhante com as tensões na Venezuela e no Perú a subirem de tom. Se tivermos em conta que no Brasil existe Bolsonaro (e também os Lulistas) e a Argentina está à beira de um ataque de nervos... Já não falemos do sempre caótico médio-oriente e da mais recente guerra na Eurásia que opôs a Arménia ao Azerbeijão.

 

Tempos difíceis se avizinham num mundo dito civilizado, centrado apenas numa pandemia e em ver quem aparece mais... Nesta sociedade pós-moderna, a Europa e os Estados Unidos já não conseguem ficar fechados sobre si próprios, até porque, especialmente a primeira, ela própria se encontra em risco de colapso. E até podemos pensar que é lá longe, que é uma preocupação de poucos, todavia, muitas das ondas de choque já se fazem sentir há muito, nomeadamente o terrorismo islâmico (que não vem só do médio-oriente) e os migrantes que todos os dias tentam entrar num continente que já não tem capacidade para os acolher e cedem ao engodo de traficantes e organizações não-governamentais que têm também aqui um lucrativo negócio.

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Robinson Kanes 17.11.2020

    Três pontos interessantes... Muito interessantes... 
    O primeiro, o proveito próprio: quantas ONG, por exemplo, não encaixam uns valentes cobres para? Quantas multinacionais não estão lá a explorar petróleo, diamantes, ouro, marfim (sim, marfim) e claro, pessoas? Falo das que exploram sem dó nem piedade, há bons exemplos e que até cito:PSA e LCS. 
    A mudança tem de ser desejada pelos africanos: concordo. Quantos à desejam mas têm de lidar com pressões ocidentais, russas e chinesas? Incluíndo líderes impostos e ecos de descolonizacões mal feitas... Portugal aí não escapa. 
    Educação: sem dúvida, mas adaptada à realidade local e não numa lógica somente Ocidental. Diz-me a experiência, contra aquilo que pensava, que é mais fácil encontrar um africano que deseja uma mudança que um português... :-)))) 


    Temas bem pertinentes e com muito para discutir. Obrigado /I. :-) 
  • Imagem de perfil

    Cecília 17.11.2020

    Diz-me a experiência, contra aquilo que pensava, que é mais fácil encontrar um africano que deseja uma mudança que um português... :-)))) 



    cada vez mais sinto dever ser obrigatória, uma vez na vida, a ida de qualquer «ocidental»  a um qualquer país africano (mas não em modo turista - hotel, certa zonas, certos restaurantes, etc) : é que não sabem mesmo o que perdem e muito menos não sabem o que julgam saber ;) 
  • Imagem de perfil

    Robinson Kanes 17.11.2020


    Ou então ir de jipe com AC e de última geração, chapéu Camel, botas caríssimas, indumentária caqui colonial, maquilhagem da boa e tudo à conta da RTP... :-))))


    Algumas (poucas) escolas penso que o fazem. Cá não conheço casos.Mas concordo a 100%!!! O problema é que muitos de nós provavelmente sairiam com um "melão" daqueles. E vou mais longe: o reconhecimento - coisa rara por cá. 
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.