Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

24.04.21

Caldeirada Com Todos... “Imsilva”


sardinhaSemlata

 

 

 

402017B8-75DA-49C2-AFF8-C49CC7184BDC.jpeg

 

 

Agradeço o convite que recebi da parte do "Caldeirada com todos" para escrever este Sábado. Espero estar à altura e ao nível do que por aqui se tem escrito.
Não saindo do tema, "Caldeirada com todos", e sendo eu de uma vila com fama de boa caldeirada, apesar de poucos restaurantes a fazerem e só por encomenda, posso acrescentar que não há casa (de nativos) que não a faça, e cada uma melhor que a outra.
Dito isto, vou debruçar-me sobre...
A fome de viver.
Todos nós tínhamos como dado adquirido, a nossa liberdade, a hipótese de ir e vir quando muito bem entendêssemos, de comer fora se assim quiséssemos, e de repente isso acabou...
Inacreditavelmente a liberdade de movimentos fora de casa acabou!
Nunca na vida, por muito que esforçássemos a imaginação, conseguiríamos adivinhar o que aí vinha.
Chegou o 1º confinamento, e quando se desconfinou, o mundo estava com fome de viver. 
Chegou o 2º confinamento, e agora com este desconfinar devagarinho, a fome surgiu ainda com mais força.
Estou no ramo da restauração e por isso falo por experiência própria.
Parece que se deu o tiro de partida e estava já tudo a postos com o casaquinho vestido e mala na mão.
Se só se pode comer na esplanada...não faz mal, nós queremos
Se faz frio e há corrente de ar...não faz mal, nós queremos
Se podemos ficar doentes, não com COVID mas com uma valente pneumonia...não faz mal , nós queremos
E é a isto que eu chamo fome de viver, o não poder esperar por um tempinho melhor, não poder esperar por comer mais comodamente numa sala fechada, e não ter um pouco mais de bom senso, por exemplo.
Talvez algum dos que foram a correr comer ao frio me esteja a ler neste momento (ups), mas cada um sabe de si, e eu tive clientes que me disseram que estavam a ficar malucos com saudades.
Enfim, já se pode comer no interior, e a esperança é que nos deixem continuar sem recuos, e de preferência sem mais confinamentos. Voltar ao normal, precisa-se!
Boa caldeirada!
Isabel.

 

 

Imsilva

 

 

 

 

 

 

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/2