Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

03.10.20

Caldeirada Com Todos... “Vorph Valknut”


sardinhaSemlata

 

 

 

 

5EB01E55-95D8-422A-A707-F0754C11F07C.jpeg

 

 

 

 

 

 

 
 
 
Num dia desvalido julguei achar-me numa pedra,
 
de uma Fraga frestada, esquecida. 
 
Tentei aninhá-la comigo,
 
trazê-la fechada, num saco, (exalou quando lhe toquei), com o resto de alguma comida.
 
Enrolada, então, no papel de prata de umas bolachas, os restos escondi-os num lenço amarelo-assoado.
 
Fria como morta.
 
E tu, meu eu? 
 
Que diferença haveria?
 
Quantos dias sumidos, somados em anos cada vez menores,
 
de uma perseverança inútil, numa esperança fútil.
 
Sangrada a vergonha, jogando-me ao peito,
 
Como de uma escarpa,
 
dentro dumas águas negras e baptismais,
 
sem ninguém. Só.
 
Pesadamente, só.
 
Olho-me, numa poça, como de longe, afogando-me o pensamento no absurdo,
 
nas vontades fétidas de uma criança inchada.
 
Um gelo infernal desponta,
 
ao ter a certeza de no vivido achar este futuro de hoje,
 
como coerência de fantasia.
 
Nascido sem aprovação, num amor fora de jogo,
 
fui embalado na sarjeta,
 
tendo visto numa garrafa vazia o reflexo partido de uma mãe
 
e num enorme rato preto, um pai.
 
Tantos sonhos tragados, tanto tempo estragado.
 
Delirado pelas sezões ganhas do desencontro,
 
julguei possível a esperança de um outro, meio de mim.
 
Verme ou bicho, não importa.
 
Mais tarde, na estrondosa e clara derrota
 
fui obrigado ao vislumbre de uma exótica vitória,
 
mantendo-me acordado numa qualquer estranha razão,
 
nessa doentia curiosidade,
 
por um final sabido e inicial.
 
Bizarro indulto,
 
Criado num género de óbito,
 
numa vida desculpada.
 
A um género de doença me apeguei.
 
Fincado (as causas perdidas, as minhas favoritas) nos desassossegos,
 
Calcei num casaco sem força a alma extinta.
 
E no Sol pus feitiço (que sabes tu da vida, que sabe a gelo?),
 
na Lua, um tipo de oração.
 
"Vim ter contigo, quero-te feliz"
 
"Desaparece. Vê como brinco ao abismo".
 
Quem fez esta vida, esta comédia isolada?
 
(O coração da noite enche-me de sangue as veias e as nuvens umbrosas dão-me o meu manto).
 
 
 
 
 
 

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Robinson Kanes 03.10.2020

    Eu é que tenho de agradecer... A ideia dos convidados é enriquecer este espaço e trazer novos ares para não deixar que o bafio se acumule. À semelhança de outros, penso que o fizeste bem e quem souber interpretar esta poderosa mensagem também ficará hoje um bocadinho mais rico... Também não será preciso ir ao Olimpo e voltar para chegar lá... Por falar em Olimpo, se convencer a alemã a atravessar La Rioja, trago umas "botellas". :-)


    Falando em causas perdidas... Gosto delas, a História normalmente diz que afinal não eram assim tão perdidas mas sim ganhadoras, que o paleio contestário e adverso era recheado de manobras de distracção. Embora confesse que não gosto de esperar pela morte para ver os bons resultados, gosto de apreciá-los em vida que isto depois da morte são cinzas. Também tenho pouco pachorra para salas de estar com teclados meditativos, gosto mais da sujidade e do pó da terra.


    Obrigado e um bom fim-de-semana,
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.