Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

13.04.21

Da Instamum à Depressedmum


Robinson Kanes

damir-spanic-b_WM9tTzIvU-unsplash.jpg

Imagem: Damir Spanic - Unsplash  

 

Estar grávida está na moda, mas quem quiser ser trendy, além da gravidez tem ainda de contar com o facto de os gémeos serem a opção mais in. Imaginem os anos de blogs, stories de Instagram e post de Facebook que isso poderá trazer...

 

Mas... vamos focar-nos nas senhoras, porque afinal também existem os pais.

 

Actualmente as mães são umas verdadeiras instamums (Instamães), ou pintemums (pintmães) ou até facemums (facemães). E o que é isto? Mães que são o último grito da gravidez e até do pós-parto, sobretudo nas redes sociais. A pressão social e mediática é tal, que o ideal é aparecer grávida mas com um look de quem passa os dias no ginásio. Uma grávida elegante, sorridente e de bem com a vida. Uma gravidez perfeita sem os percalços habituais é coisa do passado. Estar grávida é cool! Partilhá-lo nas redes sociais ainda é mais cool... desde que não se esteja gorda, flácida ou pouco atraente.

 

Onde é que isto começa? Nas “celebridades”, nas “bloggers” e naquelas amigas que ficam grávidas mas que têm aparência de monitora de aulas de fitness. Daqui às partilhas de corpos elegantes e “photoshopados” (photoshopados? Oh Robinson...) vai um passo, e daqui à pressão para se ser uma instamum vai outro passo, e daqui para chegar à depressão e desejar nunca vir a engravidar novamente vai outro.

 

Mas as coisas até começam bem... aquela “celebridade” com barriga lisa antes e depois do parto surge como a inspiração... o problema surge é quando passamos o nosso tempo a olhar a inspiração - que virtualmente continua inspiradora - e a nossa forma física continua deplorável, aos olhos da instamum. Aos olhos da instamum, porque aos olhos de um indivíduo normal é um físico... normal? Sendo que, há instamum que goste de se sentir gorda, sem poder partilhar as fotos da boa forma no facebook, quando a cunhada de cinco em cinco minutos mostra aquele corpo invejável e só pariu há uma semana? 

 

Há! Existem as que tiram proveito da má forma física mas só porque traz retorno e normalmente com iniciativas a roçar a gordura não física mas mental... O que nada abona em favor de.

 

A verdade é que existem casos em que a depressão é tal que as senhoras se esquecem do que é uma gravidez e do que é real e não é! Existem situações em que as depressões arrasam o casamento. Deixar que as redes sociais, as opiniões dos grupos de pseudo-amigos contagiem o bem-estar das mães é um passo atrás, inclusive no ser mãe e no ser mulher! Mesmo os pseudo-detentores de opinião não são "ninguém", quando muito... são um canal para ajudar ao nosso pensamento e, ter tempo para pensar, é fundamental. Caso contrário, entraremos na desculpa da falta de tempo, mas aí faço minhas as palavras de Steinbeck quando dizia que a ausência de tempo para pensar era o equivalente ao não ter vontade de pensar.

 

Sejam mães e não queiram ser estrelas, se eu pudesse escolher, era o que eu fazia... e provavelmente não seria o meu filho que faria de mim uma estrela. Deixem de passar horas a fazer scrolling (o típico sobe e desce com as páginas de internet) às outras mães no computador, no tablet ou smartphone e sejam mães! E ser mãe implica ter tempo para si e para a doideira... Pobre mãe cujo maior sonho e sina terá de ser tomar conta dos filhos ou... viver para eles.

 

E porque não escolher não querer engravidar? É um direito, e honestamente louvável, tendo em conta que existe gente a mais neste mundo! Digam que sou egoísta mas... analisem os números e veremos quem está a ser mais egoísta na equação.

 

A gravidez é uma escolha, é uma fase e uma das coisas mais normais no reino animal. Estar grávida é a coisa mais normal do mundo! Estar gorda por causa da gravidez, cheia de estrias, flácida, desesperada, cansada, irritada é a coisa mais normal do mundo! Comer doces e milhões de porcarias que nunca se comeriam antes é a coisa mais normal do mundo (se tivermos dinheiro para tal)! E não minhas senhoras, quem já teve filhos não é a única pessoa a saber tudo sobre crianças como também o vosso bebé quando nasce não é lindo. Não é... é feio, cor-de-rosa, a maioria das vezes, mas fica bem dizer “ai que bonito bebé sai ao pai”! Um dia ainda me terão de explicar como é que olham para um bebé com horas e dizem estas coisas! E não, ninguém é perfeito, só serão perfeitas se pagarem a alguém para espalhar que vocês são perfeitas.

 

Em conclusão, minhas senhoras se existir quem não goste das vossas estrias, das vossas peles, da vossa irritação, do vosso mau-humor, honestamente... fizeram um erro de cálculo na escolha do pai e daqueles que vos rodeiam.

 

____________________________________________________

Para quem quiser ler: não é um livro de máximas, mas poderia ser. É todo um génio, é todo um conjunto de pequenas reflexões e pensamentos que nos podem e devem fazer.... "Pensar". De Vergílio Ferreira, um bom livro para iniciar na, por vezes complexa, obra deste grande autor.

Para quem quiser ouvir: Tame Impala com "The Less I Know the Better". Umas vezes sim, outras não. Por vezes o caminho para "Borderline"...

Para quem quiser assistir: com os teatros a reabrir, sem dúvida que a obra de Caryl Churchill deveria ser obrigatória! Se isso não for suficiente, o elenco é dos melhores que temos por cá. "Só eu Escapei"e de repente vemos que talvez não estejamos assim tão longe desta peça de dramaturgia. Vale a pena a ida ao Teatro Aberto.

Para quem quiser comer e beber: E depois da peça, um jantar que se prolonga para lá da hora? Com o fim das restrições vai começar a apetecer ficar noite dentro no "Pano de Boca" e acabar com um copo no bar ou à mesa. Uma noite daquelas... Simpatia, boa comida, ousada... E flexibilidade... Tudo começou com a simpatia da Chef quando já pela meia noite ainda elaborou uma refeição para dois - mesmo estando fechada a cozinha e de chave na mão para se dirigir a casa. Se ficarem por casa, um "Quinta do Gradil Martinus Johannis". Um Branco com os aromas do Arinto e a frescura do Sauvigon Blanc. Simplesmente genial e que foi a perfeita companhia numa destas noites em Esposende, entre um Bacalhau com Natas e um Folhado de Plumas de Porco Preto. 

Para quem quiser ver: "Nomadland"... de Chloé Zao. Não é preciso dizer mais acerca do filme que anda nas bocas do Mundo. Em tempos de hypes sociais, existem tantas coisas que passam ao lado. Cada vez menos se pode ser velho... Dia 19 já se pode ver no cinema

 

 

26 comentários

Comentar post

Pág. 2/2