Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

18.07.22

Margarida e Mário: Uma História De Amor


Filipe Vaz Correia

 

 

B81E6BF1-5CE8-4C0B-8785-C67D44133060.jpeg

 


Existem momentos na vida em que as palavras não bastam, que as vogais e as consoantes não se entrelaçam, que o sol não nasce nem se põe...

Momentos maiores que se tornam menores diante da dor, se agigantam perante o silêncio, se eternizam nesse rumo ao inferno.

O texto de Luís Osório sobre a Mulher de Mário Centeno, e a partida da mesma, é o pináculo da beleza, a infinitude da tristeza, na incerta certeza de um momento poético.

Dramático, infeliz e infinitamente eterno.


"Gosto e admiro Mário Centeno.
Conversámos no Hotel Porto Bay Liberdade durante mais de duas horas, a
conversa ficou plasmada em "30 Portugueses 1 País", livro que assinei
em 2020. Falámos de Maria Margarida, era inevitável que eu lhe fizesse
perguntas sobre a mulher que o olhou sempre de uma forma diferente.

2. No ISEG quando se conheceram à volta de sebentas e sonhos de juventude.
Nos Estados Unidos quando ele seguiu para um doutoramento em Harvard e
ela lhe ofereceu um fortíssimo apoio que, como sempre lhes aconteceu,
foi contínuo e discreto. Longe das vistas de um mundo voraz, agressivo
e implacável.
Também em cada um dos três filhos que tiveram, falámos disso nesse
fim-de-tarde. Na profunda intimidade que os dois tinham construído,
degrau a degrau, passo a passo, como se constroem os alicerces mais
fortes do que somos.
Em cada um desses passos souberam sempre alimentar a relação e
protegê-la dos holofotes. E em cada passo ela olhava-o como mais
ninguém o poderia olhar.

Também nos dias em que o país ficou surpreendido pela escolha de
António Costa. O mediaticamente desconhecido Centeno, desajeitado nas
primeiras respostas, nas primeiras entrevistas, mas a Maria Margarida
esteve nessas parte gagas e foi sempre rede se porventura o trapézio o
fizesse tombar.
Não o fez tombar.

3. E Mário Centeno marcou o tempo nas Finanças.
Acertou as contas e ajudou António Costa no seu encontro com a história.
Começou a ficar mais seguro.
Nas reuniões, nos debates parlamentares, nas entrevistas.
Saiu em ombros, foi ovacionado em congressos, ganhou a presidência do
Eurogrupo e depois o governo do Banco De Portugal.

E em cada um desses momentos, em cada um dos momentos em que estiveram
publicamente juntos, existia sempre um olhar de Mário Centeno à
procura da aprovação ou conforto de Margarida, aos seus olhos (quase
que aposto) continuou sempre a ser a jovem por quem no ISEG se
apaixonou para a vida entre sebentas e os tais sonhos de futuro.

4. Maria Margarida morreu ontem.
Muito jovem, com pouco mais de 50 anos.
A idade de Mário Centeno.

E não há mais nada que possa ser dito.

É um momento muito triste para o governador do BdP.
Para os seus três filhos únicos.

Um momento que me fez pensar sobre a vida e o que dela levamos.
O que dela levo.

Isto é tão rápido.
Tão imprevisível.
Estamos aqui e deixamos de estar.
O amor das nossas vidas, a rede das nossas vidas, a pessoa que nos
sorri quando não estamos a olhar, pode deixar de estar.
E nós também.

Que saibamos viver com o que a vida nos oferece.
Viver como se fossemos eternos por que todos os dias podemos partir
sem poder levar nada na mala."

"Luís Osório in tsf"

 

Filipe Vaz Correia

 

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.