Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

08.12.20

O Dia em que o Presépio Tombou Perante os Aliados...


Robinson Kanes

merry-christmas-you-filthy-animal_o_2635579.jpgCréditos:https://www.memecenter.com/fun/2635579/merry-christmas-you-filthy-animal

 

Em casa dos meus pais, sempre tive liberdade para brincar com tudo. Bem...ou quase tudo. Se brincasse com tudo, muito provavelmente já não existia há muito. 

 

Uma das minhas brincadeiras preferidas, durante cerca de dois anos, deu-se em Dezembro. De repente, a Segunda Guerra Mundial que se desenrolava numa base diária lá por casa, teve novos intervenientes. Mas vamos por partes.

 

Cedo fiquei a conhecer os modelos de tanques alemães, ingleses, americanos e até japoneses e russos. Já nem vou falar da aviação, onde os P 51 Mustang, os Stukas e os Messerschimt BF 109 alemães faziam as minhas delícias. Mas uma das minhas paixões era o B 17 Flying Fortress americano. Imparável! Quando vinha lá do alto escoltado pelos P 51 era o terror no chão! Tendas e bunkers; tanques e soldados; arame farpado (de plástico, ok) e jipes a esvoaçarem. Isto até os F 16 Fighting Falcon, os F 18 Hornet e outros tantos chegarem... As colecções íam evoluíndo e os brinquedos também - conflito, ao fim de umas aquisições já parecia mais a Guerra do Golfo perante o avanço tecnológico.

 

Existiam regimentos para todos os gostos, a caixa era bem grande... Os russos eram vermelhos, os americanos e os franceses azuis, os alemães cinzentos (o preconceito é qualquer coisa), os ingleses amarelos e os japoneses fugiam para o azul. Longos anos levei até formar autênticos batalhões que até barcos incluiam, embora os últimos fossem mais ao estilo de pequenas lanchas de combate no Vietname. Que saudades das majestosas fragatas que rebentavam com as montanhas das zonas costeiras(os sapatos da minha irmã e da minha mãe). Os sapatos de salto alto podem ser uma óptima linha de defesa, embora o último grito fossem as botas embora não permitam a instalação de baterias de defesa de costa. Esqueci-me dos italianos! Apenas uma bandeira... 

 

Mas foi em Dezembro que a guerra mudaria para sempre... Nesse primeiro Dezembro, o presépio veio reforçar os combates. Cristo, ainda pequeno, ficou do lado alemão bem como os pais. Os reis magos seguiram-lhe o rasto e ficaram também do lado alemão (Rommel e Montgomery eram uns senhores da guerra e para os putos a campanha do Norte de África, uma aventura daquelas, enfim...). Também não me perguntem porque é que coloquei a Sagrada Família do lado nazi, garanto que não foi de propósito. A bicharada e umas personagens do povo que adoravam o deus menino nas palhas deitado ficaram do lado dos aliados. Volto a reforçar, era um miúdo e não tinha o mau-feitio de hoje, não foi com segundas intenções. As casas, as pontes e os moinhos foram divididos pelas diferentes posições, sendo que os russos ficaram com mais logística - também prometo que não foi uma piada comunista.

 

O povo e os animais bateram-se com grande sagacidade, aliás, como os segundos estavam deitados, serviam de escudo (eram como rochas) ao povo e foram heróis em muitas batalhas.

 

Todavia, a cerâmica cedeu ao plástico e o presépio teve um triste fim... Cristo ficou sem cabeça num bombardeamento americano (lembram-se do B 17?) e acabou por abandonar o teatro de operações embrulhado num papel e transportado por um Huey, qual Apocalipse Now. Maria e José combaterem ferozmente no contorno das Linhas Maginot mas acabaram mortos na defesa de Berlim. José já lá havia chegado sem braços, mas aguentou-se até àquele penoso dia em que os tanques derrubaram o arame farpado e empurraram os dois pelas escadas abaixo. Triste fim, que os levou a receberem uma medalha de honra, e eu uma descasca - embora tenha feito os possíveis por fazer desaparecer os corpos num dos vasos grandes do jardim. Caramba, até tiveram direito a honras militares com saudações de canhão! O Leão, o pastor alemão, olhava para mim, do género... Mas que raio é que...

 

Os reis magos morreram no deserto, um deles, qual D. Sebastião acabou por desaparecer naqueles territórios, já os outros dois, depois dos camelos terem ficado sem patas não aguentaram e foram derrubados pelo vaidoso General Montgomery e os seus tanques. Nesse dia, não mais a bandeira da Alemanha foi erguida no deserto, ou seja, na sala de jantar, junto à janela. Provavelmente, um dia, em casa dos meus pais, ainda vou encontrar o rei mago desaparecido em combate.

 

Muitos populares também acabaram sem braços e sem cabeça, a guerra tem destas coisas... A chegada dos Hornet e depois mais tarde de um Lockcheed F 117, o bombardeiro stealth dos anos 90, acabaram com todos os resquícios do presépio, salvo algumas casas, pontes e poços... E um moinho ao estilo de La Mancha - não sei onde é que o meu pai foi buscar aquilo, provavelmente uma recordação de Consuegra. O F 117 era qualquer coisa, aliás, ainda hoje é... Que terror dos céus! Mais tarde viria a ser reforço de peso nos Legos e nos Playmobil. Os Legos era vê-los a voar... Que caça-bombardeiro... Respect!

 

Depois desse momento, os faustosos presépios à Zé Franco, acabaram por ser substítuidos por algo mais simples. Estou em crer que os meus pais nunca digeriram bem ver toda a Sagrada Família e aquela populaça morrerem nas duras batalhas da Segunda Guerra quando só queriam ter uma espécie de "Aldeia da Roupa Branca". Eu, penso que já estaria no seguimento de uma espécie de Existencialismo e anunciava à família que Deus tinha morrido... Por falar nisso... Não Deus, mas o anjo também acabou por desaparecer. Então não é que o cobarde ficou fechado dentro do palheiro do Senhor e não resistiu a um ataque de artilharia e infantaria que o fizeram ir pelos ares. Só me recordo da estrutura a voar e ver o desgraçada a estatelar-se no chão e a fazer-se em pedaços. O maldito deve ter percebido que, sendo anjo, eu o ía colocar na defesa aérea, mas o espírito dos religiosos combatentes era coisa do passado e escondeu-se na esperança de sobreviver até ao fim dos combates.

 

Por incrível que pareça, a Nossa Senhora também andava lá por casa mas nunca impliquei muito com ela. Além de que a minha mãe me deixaria na Sotheby's para ser levado por alguém à melhor oferta. Eu acho que foi mesmo por medo da minha mãe, porque aquilo era o mais parecido que lá havia com a Estátua da Liberdade e eu tinha dado tudo para lançar uma ofensiva àquele colosso.

 

Em suma, sou o responsável por ter acabado com os presépios lá de casa e ainda ter destruído toda a família de Cristo e ter enviado uma mensagem ao Mundo que... A verdade é que os aliados venceram sempre e alguns ainda andam lá por casa. As fragatas americanas e o F 117, que loucura...

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.