Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

28.06.22

O dinheiro traz (mesmo) felicidade?


marta-omeucanto

dinheiro-no-traz-5aa6aa.jpg

Aquela pergunta da praxe, que tem sempre duas respostas prontas a sair:

SIM, e NÃO!

 

Os apologistas do "SIM" dirão que, hoje em dia, nada se faz, nada se consegue, nada se tem, sem dinheiro. Que não é tudo, mas ajuda.

É fácil compreender isso.

Há tanta gente que, sem dinheiro, não tem condições mínimas para viver. 

Que se torna escrava do trabalho, para sobreviver.

Que conta cada tostão, para que o mínimo não falhe.

Que abdica de muita coisa.

E a quem se torna, muitas vezes, difícil aceder àquilo que deveria ser igual para todos: direitos fundamentais como a saúde ou a educação, por exemplo.

 

Por sua vez, os defensores do "NÃO", dirão que, hoje em dia, conhecem muitas pessoas com dinheiro mas que, nem por isso, são felizes.

Pessoas que trocariam todo o dinheiro que têm, por alguns momentos de felicidade.

Que, por mais que possam ter tudo o que querem, viajar, viver no meio do luxo, estão sozinhas. Sem amor, sem amizades desinteressadas.

E que, por mais que queiramos, nenhum dinheiro compra o amor, nem a saúde, nem a vida.

Nada mais certo...

 

Posto isto, em que ficamos?

Eu diria que o dinheiro, em si, não traz a felicidade impressa, mas ajuda em muitas situações. E, com elas resolvidas, as pessoas acabam por ser mais felizes.

Pode parecer contraditório, mas o dinheiro pode proporcionar momentos mais felizes a quem menos o tem, do que àqueles que já o têm de sobra.

Porque quem não o tem, com ele na mão, vai concretizar tudo aquilo que imaginou, mas nunca conseguiu ou teve oportunidade para e, nesses momentos, acaba por experimentar a felicidade.

Pelo contrário, àqueles que sempre o tiveram, não restará muito mais por experimentar, que envolva dinheiro e, por isso, torna-se indiferente.

Aí, a felicidade passará por outras coisas, que nada tenham a ver com dinheiro.

 

Diria ainda que, na mesma medida, o dinheiro pode trazer tanto de felicidade, quanto de tristeza.

Tanto pode trazer soluções, como problemas.

Tanto pode ser a chave que liberta, como o cadeado que prende.

Tanto pode proporcionar paz, como provocar uma guerra.

São dois lados, de uma mesma moeda.

 

Que nas mãos de uns será mais benéfica, e na de outros, mais prejudicial.

Sem qualquer garantia absoluta, de qual das duas lhes (e nos) estará reservada.

 

Verdade seja dita, eu não me importaria de ter mais algum dinheiro nas mãos, e ficaria, sem dúvida, mais feliz com isso!

Portanto, se alguém se quiser aliviar do fardo e da tristeza de ter dinheiro que não traz felicidade, já sabem 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    marta-omeucanto 29.06.2022

    Verdade, José 
    Muitas pessoas apanham-se com dinheiro e gastam-no à toa. Existem pessoas que não sabem gerir o que têm. E outras que colocam determinadas prioridades à frente, nem sempre as mais importantes.
    Às vezes o meu marido pergunta-me "se ganhasses o euromilhões, deixavas de trabalhar?" e eu digo-lhe sempre que não. Podia fazer alguma coisa que gostasse mais, dedicar-me aos animais, ou algo que me entusiasmasse, mas não ia ficar de papo para o ar sem fazer nada a aproveitar o dinheiro.
    Não posso dizer que sou infeliz com o que tenho, mas não me importava de ter mais qualquer coisa, que desse para alguns pequenos prazeres que, assim, têm que ser controlados ou postos de parte.
    Queria muito ter mais dinheiro para poder ajudar muitos dos animais abandonados que por aí andam nas ruas. Poder ir a médicos particulares sem depender das marcações tardias, e incompetências do SNS.
    Mas, com o que tenho, sou feliz de outras maneiras 
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.