Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

26.02.24

Pedro Abrunhosa e õ Bloco de Esquerda: O Plágio...


Filipe Vaz Correia

 

 

Toda a gente que aqui me acompanha sabe o quanto gosto de Pedro Abrunhosa, o apreço que sinto pelo artista e pelo homem, o quão importante é o seu reportório na minha vida...

Abrunhosa é na minha visão um génio, um pedaço de idílico no panorama cultural português, no entanto, diante desta nova polémica que o envolve com o Bloco de Esquerda tenho que balancear os meus ímpetos,,,

A frase "fazer o que ainda não foi feito" faz parte de um álbum de Pedro Abrunhosa, porém não se pode levar o plágio ao limite do absurdo, de um patamar onde o anormal se torne normal.

Percebo que um autor, um artista vocal, se indigne que uma canção sua seja usurpada por uma campanha política do seu desagrado, que nos usurpem parte da nossa inspiração para algo que nos é abjecto, mas isso não pode ser confundido com a liberdade linguística, por exemplo:

"Born in The USA" de Bruce Springsteen, na sua excelência autoral ser aproveitada por uma campanha política que conspurque o ideal da música e autoria, porém jamais poderemos sequestrar a palavras ou frases dessa genialidade autoral como se de um todo se tratasse.

Se alguém plagia o poema, a letra, a música, que seja processado, no entanto, se alguém se cingir à frase Born In The USA, esse pormenor, que será um pormaior, não deve, na minha opinião, ser cerceado, amputado no seu direito de criar.

Esta polémica é para mim estéril, desprovida de conteúdo, amarrada a um olhar histericamente populista que abraça uma certa elite cultural que nos circunda, senhora dos seus direitos mas impotente aquando se acerca a latitude maior de um cenário abrangente neste mundo que nos serve de casa.

o Bloco escreve o que quiser e usará o que quiser e se plagiar Van Gogh que seja processado, no entanto, se usar orelhas amputadas, isso por si só não tem de ser plágio.

Parece difícil?

 

Filipe Vaz Correia