Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

10.06.20

Por mares sempre navegados, ainda Adamastor


Sarin

Ser português

é sentir na pele o fado

da eterna saudade do mar.

 

Gosto destes versos. Parecem profundos, cheios, envolventes. Sendo meus, posso afirmar com absoluta certeza: são vazios.

Porque ser português é definição pessoal, não identidade nacional. Aliás, que identidade nacional? A que suspira de saudade pelo império? Não é minha, certamente. A que se orgulha de 900 anos de História? É a minha História, trouxe-me aqui -  mas não me orgulho dela, na exacta medida em que também não peço desculpa por ela. Aceito-a, abraço-a, há muito conciliada com as injustiças cometidas, com as oportunidades perdidas, com o engenho e com a arte que temos e perdemos por vistas tão estreitas como o nosso país, esta faixa continental que se continua pontilhada mar adentro. 

O que é a Cultura Portuguesa que não um caldo onde cabem fado e cante e pimba e pauliteiros e fandango e corridinho e choradinho por esta tão triste vida? Onde cabem todos e tudo sem que a deixemos de sentir nossa?

Porque, caramba, o que nos é mais comum será talvez, e afinal, a capacidade de abraçar outras culturas e, no fim do dia, conseguir suspirar em português.

 

Sou Portuguesa e, de tanto que gostaria de pudéssemos ter, não quereria ser outra coisa - mesmo que não conseguindo definir uma identidade nacional, ainda que deplorando a marcha contra os canhões no Hino que me comove.

Gosto deste meu canto, gosto deste nosso sol. E gosto do calor que me alenta quando reconheço o tal abraço nos pequenos gestos dos meus patrícios.

Tal como para Pessoa, a minha pátria é a Língua Portuguesa. Mas, ao contrário do poeta, eu tenho sentimento político e social. E se a minha pátria é a Língua, a minha nação é a História e a Cultura, é o sangue e é o solo, são as pessoas. Não vejo como ser portuguesa sem me preocupar com Portugal, não sei ser portuguesa sem me importar com os portugueses. Os que cá e os que lá fora.

E se ser português for outra coisa qualquer, por favor avisem-me. Talvez ainda vá a tempo de ser celtibera, que para bera basta deixar que decidam por mim o meu país.

 

Celebrem o país de Camões como melhor vos aprouver, hoje que se cumprem 440 anos sobre a sua morte. E fiquem bem, fiquem muito bem. Por aqui, fiquem com Jorge Palma.

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Sarin 26.06.2020

    Olá, Maria, e peço desculpa por só agora responder - não sei como, este comentário passou-me despercebido :(
    Sim, também sinto um calorzinho quando ouço falar português em lugares onde não esperava, não o português falado por turistas mas o português de quem por lá anda. Num restaurante, perguntava no meu sofrível italiano o que era um determinado prato; o empregado pediu desculpa, dirigiu-se a um colega que estava perto e eu ouvi num belo sotaque norte-alentejano "Manel, como é que explico este prato?". Sorridente, respondi discretamente "por mim, pode explicar em português". Fizemos quase uma festa naqueles minutos prolongados por isso mesmo :) Aqui ao lado como lá longe, do outro lado do Mundo :) Pela experiência, é ainda mais gratificante para eles que lá estão do que para nós :)
    Claro que há excepções, incluindo aqueles que cá insistem em nas esplanadas me perguntar "may i help you?" e que levam por resposta "talvez, mas apenas em português"
    Beijos, Maria, até breve.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.