Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

03.07.20

Racismo vs anti-racismo, qual o melhor?


JB

"Os maiores avanços na civilização são processos nos quais as sociedades em que eles ocorrem ficam arruinadas. "
( Alfred North Whitehead )

 

Racismo vs anti racismo, qual o melhor?

Estranha a pergunta caro leitor(a)?

É bom sinal, começo por dizer isso.
Em conversas recentes, quer on-line com outros viciados na PlayStation, Facebook, telemóvel e até mesmo neste blog, tenho vindo a assistir àquilo que considero um fenómeno curioso.

Pessoas, a quem reconheço qualidades intelectuais e humanas, terem comportamentos e frases que considero pouco inteligentes e desprovidas de empatia. Provoca-me uma dissonância cognitiva que me incomoda e gostaria de perceber melhor.

Graças à ideia peregrina do líder de um partido (que entrou ontem oficialmente para a extrema-direita europeia) de organizar uma manifestação, a dizer 'Portugal não é racista'; esse meu problema de dissonância cognitiva relativamente à algumas pessoas está a voltar em força.

Senão vejamos: fiz há uns dias um post no FB com um divertido cartoon que passo a ilustrar em baixo:

CE650761-6E19-48FA-94B8-47017E43705F.jpeg

 

*

Isto foi o mote para comentários muito interessantes, destaco dois. Um dizia qualquer coisa como, 'o Ventura até diz verdades, a Manif é parva mas achas mesmo que há racismo institucional?'

Esta pessoa, ainda não é bem aquela de que falei no início do post. É alguém, que fazendo parte de um meio onde as Venturettes abundam, onde provavelmente muitos serão grandes amigos, quer muito compreender e evitar radicalismos. Respondi dizendo que as 'verdades' são apenas populismo e que racismo institucional não existe, porque não existe nenhuma lei explicitamente racista. Mas que a pergunta estava mal posta, por isso mesmo.

Nesta altura, uma antiga colega minha da faculdade, de origem africana, resolveu participar na conversa.

Agora está a trabalhar em Inglaterra, mas esteve a trabalhar cá em Portugal muito tempo. Estudava muito e era muito trabalhadora, uma pessoa muito simpática e de sorriso fácil. Uma mais valia em qualquer sala de aula ou local de trabalho. Negra escura, elegante , alta, com uns expressivos olhos castanhos e muito muito tímida. Trabalhou numa charcutaria, nas limpezas lá atrás. Se a punham na caixa, porque era trabalhadora e honesta, alguns clientes diziam "a caixa está muito escura" e pediam para a tirar de lá, e tiravam-na. Às vezes, pediam um "frango clarinho... há uns que parece que vêm de Àfrica", e inúmeras situações humilhantes, desumanas e inaceitáveis. Um dia respondeu a um cliente, o cliente fez queixa, ninguém a defendeu e foi repreendida à frente do cliente e colegas pelo comportamento inaceitável e disruptivo. Na faculdade, ia a casa de uma colega fazer a tese, viu que a colega tinha um livro com marcações nas páginas todas com a cruz suástica. A colega disse-lhe que admirava muito o Hitler e era de extrema-direita, que os "pretos são uns animais" mas que ela não era como eles: ela era "branca por dentro" e por isso eram amigas. "Porque é que me deixas dormir em tua casa então?" perguntou-lhe uma vez, "porque vais dormir no quarto de hóspedes e esse eu não uso". Ninguém que não passe por isto pode sequer começar a imaginar os efeitos terríveis que isto provoca. Nos medos, na auto-estima, nos pesadelos, na vida. Isto são só alguns exemplos, ela teria muitos mais para contar. Há muitos mais como ela, ao nosso lado, todos os dias.

Alguém duvida que isto é assim? Alguém tem coragem de se chegar à frente da minha ex-colega e dizer, "Estás enganada, isso é impressão tua, tu queres é viver à conta de subsídios e inventaste isso tudo, Portugal não é racista". Se tiver coragem, desapareça. É uma pessoa sem empatia, sem noção da realidade e quanto a mim está cá a mais.

Ela agradeceu-me ter falado nisso (ela agradeceu-me!!). Agradeci de volta, todos os que leram aquele post não ficaram indiferentes. O interlocutor inicial compreendeu o que ela quis dizer, curvou-se perante a dura realidade que nunca teve que enfrentar. Eu fiz o mesmo. Ela disse que era bom eu falar nisso, que há poucos que falam. Cá estou eu outra vez então. Declarei-me a mim próprio como inimigo mortal desses que se vão queixar a dizer "a caixa está muito escura" e derivados.
Vou dar umas dicas para reconhecer quem aprecia este tipo de gente.

Hoje em dia já existe alguma noção que ser publicamente racista é uma coisa má. Então a maioria das pessoas que o é, disfarça. Uns sabem que são mas disfarçam, outros disfarçam tanto que até acham que não são. Mas há certas frases que os denunciam.

"Eles ainda são mais racistas que nós" - Irrelevante, a questão não é essa: um ladrão não vai para tribunal defender-se a dizer 'mas o Tozé roubou mais que eu' (só se quiser tramar o Tozé, que é precisamente o que os racistas querem). Frase mais dita por racistas no mundo inteiro, esta é infalível.

Ver o video do George Floyd e dizer: "Tem que se perceber melhor, a mim não me pareceu racismo" - Neste não consigo explicar sem ocupar muitas linhas. Se alguém quiser explico nos comentários, para já fica um 'entenda quem puder'.

"Relativamente ao racismo e ao anti-racismo gosto de ter uma posição imparcial" - A sério? Parece mais ponderado, é? E em relação à pedofilia por exemplo, também é ponderado? Eu sou anti-racismo e penso que todos deveriam ser. Quem não se declara como tal, é porque é, nem que seja um bocadinho.

"Achas bem que se incendeiem esquadras então " - Obviamente que não, mas tenho empatia e compreendo a frustração que leva a tais actos. Se cá em Portugal, um país que 'não é racista' a vida é assim, nos Estados Unidos será muito pior. Claro que compreendo, quem não? Acho é que isso não deve tirar o foco do problema real, que os racistas querem ignorar.

"Estás contra os polícias então" - Está é só estúpida, mas eu ouvi isto, é só para terem noção do que anda aí.


Não é ser 'radical' nem 'extremista', ser radicalmente extremista contra o racismo. Já chegamos a um ponto na sociedade, recentemente só, em que finalmente não é socialmente aceitável ser racista. Parece que estamos a chegar agora a um ponto em que é politicamente aceitável ser um racista dissimulado. Sendo que os sinais são óbvios e temos que fingir ignorá-los.

Vamos parar de fingir?

 

JB


PS- (Vi nas notícias, já depois de ter escrito o post que quatro polícias foram agredidos na Amadora, antecipando qualquer acusação descabida para tentar desvalorizar a importância do que falo, declaro: Desconheço os contornos do caso, mas atacar polícias é inaceitável, os culpados caso tenham nacionalidade portuguesa, devem ser julgados e condenados. Caso não tenham, devem ser deportados. Sejam de que país forem.)

* imagem retirada do Facebook a 30 de junho de autoria desconhecida.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.