Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

16.09.20

RBI, Sim ou Não?


ó menina

O RBI – Rendimento Básico Incondicional, é uma prestação do Estado a cada cidadão, suficiente para uma vida digna e sem quaisquer condições. Um rendimento universal, que as experiências levadas a cabo provaram ser uma rede de segurança a que todos se podem agarrar em períodos como o que agora passamos e uma oportunidade a que todos se realizem.
Experiências, realizadas em diversos países, provam que o RBI contribui para reduzir a criminalidade, melhorar os índices de saúde, aumentar a frequência escolar e melhorar a actividade económica.

A Alemanha, vai iniciar um teste ao RBI, à semelhança do que já decorreu na Finlândia.
Na apresentação do projecto (cujo vídeo partilho mais abaixo) , os promotores referem que o RBI poderá fazer a diferença no actual contexto de excesso de trabalho e stress laboral estimulando a criatividade e participação das pessoas na cultura uma vez que as liberta da ideia de que trabalham apenas para sobreviver. Esperam provar que o RBI torna a sociedade mais resistente a crises.
No piloto, 120 cidadãos cuja residência principal seja na Alemanha, irão receber durante 3 anos 1200 euros mensais.

Em Portugal, para além de não existir um RBI os apoios que existem como o Subsídio Social de Desemprego que em Julho chegava a apenas 10 894 pessoas e o RSI - Rendimento Social de Inserção, para além de condicionados e mergulhados em burocracia, atribuem valores muito abaixo do limiar de pobreza actualmente fixado em 502 euros mensais.

Eu, sou tendencialmente favorável ao RBI mas até que se consolide é imperativo que reformas, pensões ou subsídios de protecção social deixem de ter valores inferiores ao valor do limiar de pobreza.
É do interesse de todos. Esta crise provou que todos, todos nós, estamos vulneráveis. Devemos deixar as piadas fáceis e sempre ofensivas acerca dos que recebem prestações sociais e lutar para que elas sejam mais e mais justas, para que nenhum de nós fique para trás quando chegar a sua vez.


 

15 comentários

Comentar post