Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

24.09.21

Reflexão na imensidão


JB

05DB2AFA-C123-4DF1-A8E5-652A0F8CDF52.jpeg

 

 


 Domingo temos as autárquicas, em breve vamos entrar naquilo a que habitualmente se chama o 'período de reflexão'.

 Tenho sentimentos mistos com este conceito. Se por um lado acho absolutamente inútil (não é porque as televisões deixaram de transmitir tempos de antena que alguém muda de ideias), por outro acho que dá uma certa gravitas, uma importância que as eleições de facto devem ter.

 Resolvi por isso, esquecer temporariamente o panorama político nacional e preocupar-me com assuntos ligeiramente mais distantes e que por isso não irão interferir nas influenciáveis mentes dos eleitores portugueses.

 Vamos olhar para as estrelas por momentos, fazer uma breve viagem pelo Universo e colocar a eterna questão, haverá mais vida além do planeta terra?

Enrico Fermi era um físico ítalo-americano que se preocupou com esta questão. Era conhecido por fazer cálculos estatísticos e desenvolveu aquilo que hoje em dia é conhecido como o paradoxo de Fermi, consiste basicamente no seguinte:

- Só na nossa galáxia existem biliões de estrelas com características semelhantes ao nosso sol.

- Existe uma grande probabilidade de algumas dessas estrelas terem planetas em órbitas parecidas com a da Terra e por isso com condições para suportar vida.

- Muitos desses planetas e respetivas estrelas são mais antigos que o planeta terra por isso poderiam ter desenvolvido vida inteligente há muito mais tempo.

- algumas dessas hipotéticas civilizações poderiam ter desenvolvido viagens inter estelares, algo que os humanos estão a desenvolver actualmente.

-como milhões desses planetas são mais antigos do que o nosso era expectável que alguém nos tivesse visitado ou pelo menos que tivéssemos encontrado algumas sondas extra terrestres.

- até agora, não existem provas convincentes de que isso tenha acontecido.

 Este é o paradoxo. Segundo Fermi seria altamente provável que existissem outras civilizações e igualmente provável que fossem mais avançadas com biliões de anos de avanço e que por isso, já nos tivessem encontrado, ou pelo menos que já tivéssemos encontrado alguma prova concreta da sua existência. A realidade é que para além de umas imagens desfocadas e teorias da conspiração não existem provas convincentes e irrefutáveis de que existem extra-terrestres, Fermi achou isso estranho. Muita gente achou e ainda acha uma vez que este paradoxo ganhou relevância com o passar do tempo.

  Existem muitas teorias que tentam explicar este paradoxo, gostei especialmente desta do Professor Neil deGrasse Tyson que deixo aqui.

 Espero que os meus amigos que me lêem não fiquem a pensar que tenho alguma conclusão importante a partilhar porque não tenho. Posso dizer que gosto de imaginar que vivemos num Universo movimentado e cheio de vida, com naves espaciais de um lado para o outro, só que ainda ninguém encontrou o nosso planeta nesta galáxia tão periférica, situada muito longe do sítio que supômos ser o centro do Universo. Imagino que somos como aquelas tribos aborígenes da Amazónia que ainda não foram encontradas e que mesmo sem saber fazem parte de uma família maior.

Bom fim de semana, boa reflexão e deixo a pergunta (e a minha resposta):

Estamos sozinhos no Universo?

(Provavelmente não mas para já sim)

Mais alguém arrisca uma resposta?

 

JB

 

6 comentários

  • Imagem de perfil

    JB 24.09.2021

    Caro anónimo, já vi alguns desses programas, pessoalmente não estou convencido que se tratem realmente de aliens. Porque é que só visitam a área 51?!? Porque é que as imagens que se apanham são sempre desfocadas? Tanta gente que os procura com recursos individuais e nunca ninguém conseguiu apresentar uma prova cabal… Não sei, não tenho a certeza mas acho que os humanos de uma maneira geral são crédulos e acreditam em quase tudo. Tento contrariar essa tendência. Quanto aos aliens, ainda não estou convencido.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 24.09.2021

    Crédulos? Cépticos? Ou não sabemos da missa a metade? Pergunto-me porque é que Haim Heshed, engenheiro, professor de aeronáutica, general na reserva, que trabalhou mais de 30 anos como chefe de segurança do programa espacial israelita, afirmou publicamente que a existência de uma organização galáctica já é conhecida há anos pelos governos de Israel e EUA e que humanos e alienígenas já trabalham juntos. Ou porque é que Paul Hellyer, ex-ministro da defesa do Canadá, afirmou também publicamente, que os extraterrestres trabalham em parceria com o governo dos EUA. E por cá, porque é que o malogrado General Lemos Ferreira, que foi Chefe de Estado Maior da Força Aérea e CEMGFA, afirmou também publicamente ter visto OVNIs quando efetuava um voo de treino noturno.

    Não estamos aqui perante indigentes ébrios que olham para o céu e julgam ver a guerra das estrelas, mas sim perante gente prestigiada, que ocupou altos cargos e teve acesso a informação classificada, será que ficaram chalupas com a idade?

  • Imagem de perfil

    JB 24.09.2021

    Possivelmente ficam… Não conheço essas pessoas de que falou mas continuo a achar que se fosse uma coisa tão evidente teríamos mais provas. Ao ler a sua descrição imaginei que se calhar vivemos todos num filme dos MIB (men in black) e confesso que essa ideia me. Agrada. Quem sabe? Eu não sei de certeza!
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 24.09.2021

    Uma reportagem do New York Times (https://www.nytimes.com/2017/12/16/us/politics/pentagon-program-ufo-harry-reid.html) revelou que o mundo de MIB: Homens de Preto não é tão distante assim da realidade como pode parecer. Segundo a matéria, de 2008 a 2011 o governo americano manteve um programa secreto com orçamento de 22 milhões de dólares dentro do Departamento de Defesa dos EUA, o Pentágono, para investigar OVNIS e atividades de tais objetos voadores não identificados.

    Recolhendo depoimentos e materiais não-identificados, que supostamente vieram de objetos espaciais voadores, o programa também trabalhou com testemunhas, vídeos e áudios para estudar tais possíveis presenças, assim como desvendar histórias e mistérios a respeito de OVNIS em potencial. Vale lembrar que um OVNI não necessariamente envolve um extra-terrestre: trata-se literalmente de algo que voe e que não tenha sido identificado. O interesse do governo americano por tais histórias, no entanto, não é recente: desde o final dos anos 1940 que esse tipo de iniciativa é realizada oficialmente nos EUA.

    O programa foi encerrado, segundo o governo, em 2012, com direito a uma curiosa reviravolta por parte de um dos “agentes” desse MIB da vida real: Luis Elizondo, que trabalhava para o programa, deixou o Pentágono para se juntar ao projeto To The Stars Academy Of Arts & Science, que investiga tecnologias para o desenvolvimento da humanidade.

  • Imagem de perfil

    JB 24.09.2021

    Tentei seguir o link mas infelizmente não sou assinante do NYT. É um tema demasiado esotérico as vezes mas sobre o qual me entretenho a pensar, irei pesquisar mais coisas! Obrigado
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.