Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

01.08.22

Amor Teu, Amor Nosso…


Filipe Vaz Correia

    Já amei e já perdi, já desconversei e sorri, já desmaiei enquanto fugi, soletrei parte de mim...   Já esqueci o que antes havia pressentido, já perdoei o que havia perdido, libertei o que em mim havia doído...   Já escrevi vezes sem conta o que conta o meu coração, essa voz que se esconde escondendo a ilusão, desse amor teu por mim...   Desse amor teu; por nós.    
26.07.22

O Amor Cura?


marta-omeucanto

  No sábado, fiquei a saber que Irina Fernandes tinha morrido. Apesar de a Irina ser da Ericeira (aqui ao lado), não a conhecia, nem à sua história, até ter assistido à série de episódios, dedicados a ela, na TVI, em Janeiro deste ano. O lema da Irina, e que deu título à série, era "Amor Cura".   Eu sei que este pensamento e forma de vida é muito mais do que o seu sentido literal mas, assim de repente, só me apraz dizer: "Não! O amor não cura coisa nenhuma!" E tanto que (...)
18.07.22

Margarida e Mário: Uma História De Amor


Filipe Vaz Correia

      Existem momentos na vida em que as palavras não bastam, que as vogais e as consoantes não se entrelaçam, que o sol não nasce nem se põe... Momentos maiores que se tornam menores diante da dor, se agigantam perante o silêncio, se eternizam nesse rumo ao inferno. O texto de Luís Osório sobre a Mulher de Mário Centeno, e a partida da mesma, é o pináculo da beleza, a infinitude da tristeza, na incerta certeza de um momento poético. Dramático, infeliz e infinitamente eterno. "Gosto e admiro Mário Centeno.
11.07.22

Versos Soltos


Filipe Vaz Correia

    Pintura pendurada na parede; na outrora parede despida ousadamente desnudada desnudando esquecida a mágoa recordada da recordada ferida que fere despudorada despudoradamente vivida nessa vida descompassada descompassadamente sentida sentindo a amargurada Despedida...        
04.07.22

In The Stars: As Saudades Têm Memória


Filipe Vaz Correia

    Benson Boone, In The Stars Descobri esta música há pouco tempo e foi como um "powerfull" abraço de alguém que aqui não está, uma constatação dessas saudades cimeiras daqueles que já partiram. Para mim resgatou a minha Mãe. E a cada um de vós? Quem vos resgata esta música? A dor da perda e as infinitas saudades têm um armadilhado caminho que nos leva sempre a essas memórias que se perderam, por entre, as lágrimas, o arrepio, a falta... Que seja eterno mas (...)