Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

07.09.20

A Singularidade De Um Eterno Amor...


Filipe Vaz Correia

          Duas almas entrelaçadas caminhando junto ao rio, de mansinho engatilhadas nessa imensidão de vazio que se apresenta como destino. Nesse caminhar soa o piano como compasso de um e outro contratempo, outro e mais outro adeus, no desesperante fervor que se amarra em cada entrelaçar de dedos, a alma, discretamente, intensamente presente. Duas almas, sempre as mesmas, de olhar perdido em si, num buscar que se pretende único, singular, singularmente belo. Como é bela a (...)
10.08.20

Onde se Esconde A Essência Humana?


Filipe Vaz Correia

        Cada vez tenho mais certezas dessas incertezas que nos consomem, esse caminho que se desvenda nas invisíveis formas de futuro. Aqui sentado no terraço, de frente para o mar, sinto que os vazios se preenchem, que os enigmas se desvendam, que tudo pode fazer sentido... Mas no descerrar da noite, nessa questão entrelaçada que persegue a criança que em mim habita volta a saudade do que desconhecendo sinto me pertencer. Conheço tantos carregados de tamanhas (...)
13.07.20

O Espelho E O Tempo...


Filipe Vaz Correia

    O tempo... Gostaria de vos pedir uma coisa: Vão para perto de um espelho e olhem fixamente para ele... Olhem para essa pessoa que vos aparece reflectida. Agora... Fechem os olhos e iniciem a viagem... Quantas memórias e perdas segredadas? Quantas paragens para saídas e entradas? Encontros, reencontros, desencontros... Ontem soube, por acaso, da morte de alguém que cumpriu comigo, esta viagem, durante os primeiros anos de minha vida. Um amigo que se perdeu no tempo (...)
22.06.20

Um Whisky Com O Pedro Lima...


Filipe Vaz Correia

    É tão impressivo quando percebemos que alguém se suicidou... Alguém público, aparentando uma felicidade nas redes sociais, que nos esmaga e penetra nas entranhas da alma. Nunca conheci Pedro Lima, minto, estive com ele uma única vez, na Discoteca Indústria, há muitos anos atrás, era eu um menino... Nesse dia, a altas horas da madrugada, no meio de uma imensidão de gente, Pedro Lima esbarrou neste vosso amigo, entornando o meu copo de Whisky, um néctar de excelência e que (...)