Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

20.04.21

Os Revoltosos 2.0


Robinson Kanes

Texto: Anónimo Imagem: Robinson Kanes    A era das comunicações de massa é de deterioração da comunicação inter-humana.  Gilles Lipovetsky in, "O Império do Efémero".     Nunca como hoje, o Ocidente teve oportunidade de se expressar de forma tão livre. As redes sociais, aliás, o digital como um todo, permitem que uma grande maioria da população tenha voz - ou será que é uma maioria assim tão grande? - e se expresse de forma mais ou menos entusiasta. Neste campo, (...)
02.02.21

Vacinas! A eterna tela Bosch de Portugal...


Robinson Kanes

Hyeronimus Bosch - "A Extração da Pedra da Loucura"  (Museo del Prado)  Créditos: Museo del Prado (não podendo tirar fotografias, cede os direitos em boa resolução para espaços como este - obrigado)    Fazendo uma análise aos mais recentes episódios em torno das vacinas contra o SARS-CoV-2, não sei se fique mais perplexo com a situação em si ou se com o espanto que a mesma gerou na opinião pública. Afinal, qual é o espanto com algo que é uma prática diária no nosso (...)
03.11.20

O Portugal da pandemia é egoísta...


Robinson Kanes

Bartolomé Esteban Murillo - "Duas crianças comendo Uvas e Melão" - Alte Pinakothek Imagem: Robinson Kanes     Morremos sem conhecer uma fracção grande de nós. E isto apenas porque ela não teve oportunidade de se manifestar. Eis porque, por exemplo, nem todos sabem de si que são heróis, ou cobardes. Vergílio Ferreira, in "Conta Corrente V"     Portugal tem a fama de ser um país solidário, sobretudo se o assunto estiver nos escaparates da comunicação social: não hesitamos (...)
07.04.20

Das Tolerâncias de Ponto até à Pirataria...


Robinson Kanes

Imagem: Robinson Kanes   O céu é de todos e este mundo de quem mais apanha. Raúl Brandão, in " A Farsa"   Com o desgaste provocado pelo vírus e pela apatia cerebral provocada pela Netflix, sobretudo na cabeça dos portugueses, começamos a regressar à normalidade e aos atropelos habituais de um certo Estado Democrático lá para os confins da Ibéria.   Começo pelas tolerâncias de ponto, esse tópico que sempre foi uma regalia para uns e uma miragem para outros. Pergunto-me (...)