Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

sardinhaSemlata

Um espaço de pensamento livre.

20.01.21

1 boletim, 8 nomes, 7 candidatos


Sarin

1 boletim de voto A ferramenta de excelência das nossas eleições. Um boletim que nos dá o poder de livremente escolhermos os nossos representantes. Um boletim onde a Democracia nos pede que assinalemos com X aquele que, dia 24 de Janeiro, queremos ver eleito como Chefe deste Estado, desta República. Apenas um X na quadrícula. Um boletim, um voto. Secreto, pessoal, intransmissível. Por isso a nossa lei eleitoral para a Presidência da República (...)
13.01.21

Votar


Sarin

Diz a Constituição que o exercício do direito de sufrágio é um dever.  Foi um percurso muito longo e árido, este palmilhado até conseguirmos votar, nós mulheres portuguesas, nós cidadãos portugueses de todas as etnias, nós cidadãos livres a votar em consciência. Só em 1976 tal aconteceu. E sim, o machismo teve tudo a ver. O racismo teve tudo a ver. O fascismo teve tudo a ver.  A Democracia consagrou o voto como livre e direito de todo o cidadão com mais de 18 anos. No (...)
06.01.21

Debates presidenciais


Sarin

Eis-me aqui, amanhecida para um debate com os caríssimos leitores, a lançar um aperitivo muito antes do meio-dia... terão talvez, também aí desse lado, pensado que seria hoje que eu iria escrever e responder e... bom, falta meia-hora para me caírem as escamas e eu a teclar, um olho no Trump e outro no chegano, o debate suspenso como o Senado nos EUA... As coisas nem sempre correm como se deseja, pois não? Foi mais ou menos o que senti quando comecei a ver os primeiros (...)
06.01.21

O que é um debate?


Sarin

A pergunta é genuína: O que é um debate?   Desafio-vos a encontrar definição que encaixe no que temos visto nestas presidenciais. Volto mais tarde. Para falar sobre o assunto - quiçá debater o assunto. Fiquem bem, e até já.
30.12.20

Presidentes made in comunicação social


Sarin

O meu Presidente nem sempre é aquele em quem voto. Mas, a partir do momento em que o candidato mais votado é investido, passa a ser meu e de todos os meus concidadãos. Para o bem e para o mal, uma figura que nos representa a todos. E que é quase decorativa. Quase, não fossem o poder constitucional de nomear o Primeiro-Ministro e de dissolver a Assembleia da República, e o poder mediático de cada indivíduo que desempenha a função. Deste último poder, ou capacidade, depende a (...)